DESEQUILÍBRIO HORMONAL:
QUAIS AS CONSEQUÊNCIAS DESSE PROBLEMA PARA O ORGANISMO FEMININO

A taxa de hormônios é uma característica importantíssima para o funcionamento do corpo. No caso feminino, por exemplo, sempre que a médica pede um exame de sangue ela dá uma conferida nesses números. O estrogênio e progesterona são os mais conhecidos. Mas, e quando esses níveis estão desequilibrados? Saiba sobre as consequências desse quadro para o organismo com as explicações da ginecologista Andréia Gozzi.

 

Conheça os fatores que podem influenciar o desequilíbrio hormonal

Segundo a médica, os principais hormônios femininos são produzidos no cérebro, pelo hipotálamo e hipófise, e nos ovários. “Portanto quando ocorre alguma falha de mecanismo destes órgãos,  pode haver uma produção em excesso ou diminuída dos hormônios, causando o desequilíbrio”, esclarece ela. As alterações geralmente ocorrem nos níveis de progesterona, estrogênio e testosterona. São inúmeros fatores que podem influenciar o desequilíbrio. A profissional destacou alguns exemplos: pílulas anticoncepcionais, certos medicamentos, estresse, alimentação desregrada, sedentarismo, atividade física em excesso, uso de álcool e drogas, alguns tipos de câncer e o avanço da idade.

 

Quais são as consequências do desequilíbrio hormonal para o organismo?

É importante destacar que esse quadro pode acontecer em pacientes de qualquer idade. Entretanto, os casos mais comuns acabam ocorrendo após a primeira menstruação até a menopausa. Por isso, é preciso ficar atenta em qualquer momento da vida. “Os efeitos podem ser diversos, como ganho de peso, dificuldade para emagrecer, aumento de acne e pelos corporais, alterações menstruais, ressecamento vaginal, insônia, alterações de humor”, destaca Dra. Andréia.

 

Como são feitos os tratamentos desses casos?

Assim como destaca a ginecologista, o tratamento vai depender de uma investigação minuciosa do desequilíbrio. Dessa maneira, a causa vai ser descoberta e solucionada, resultando nos níveis hormonais de volta à sua taxa normal. “Mas nem sempre se descobre a causa, e aí o tratamento é focado em corrigir os sintomas gerados”, comenta a médica. E ainda, há muito casos em que o quadro de desequilíbrio pode ser corrigidos através de terapias hormonais.

 

Dra. Andréia Gozzi, ginecologista do Instituto Lerner
CRM: 153790

Publicado no Blog Só Delas

Veja o post original